Perguntas Mais Frequentes

1. Após o plantio, posso explorar as áreas que foram reflorestadas?
Não é possível este tipo de atividade, pois as áreas reflorestadas ficam caracterizadas como Reserva Legal ou Área de Proteção Permanente (APP). Há a possibilidade de retirar sementes, frutos, mas nunca de explorar madeira.

2. Posso distribuir as mudas que foram doadas?
Não, esta prática não é possível. Para aprovação no programa de doação, o proprietário responsabiliza-se em realizar o plantio na área da propriedade especificada no Contrato de Doação de Mudas, não sendo possível a distribuição em outras áreas. Caso isto ocorra, a ação é caracterizada como quebra de contrato e o proprietário será acionado judicialmente.

3. Quanto terei de gastos para o plantio e a manutenção das mudas? Por quanto tempo terei de cuidar das mudas?
Os levantamentos dos custos envolvidos são variáveis, pois dependem de uma série de fatores de condições de terreno, mão-de-obra, insumos, acessos, entre outros. O tempo médio que as mudas levam para atingir o tamanho ideal para sobrevivência, sem interferência humana, é de 02 anos.

4. Quais as conseqüências para perda das mudas? Existe uma tolerância em situações como essa?
Existe uma perda aceitável de 10% do total de mudas contratadas no termo de compromisso. Acima deste percentual, o proprietário deverá repor essas mudas, adquirindo as mesmas no viveiro. Se o proprietário não realizar esta reposição, poderá ser acionado juridicamente, pois tal atitude será caracterizada como quebra contratual e crime ambiental.

5. Como faço para saber os procedimentos para plantio das mudas?
Todas as recomendações técnicas para os projetos de reflorestamento serão fornecidas via e-mail durante o processo de enquadramento nos projetos. O envio prévio via e-mail tem como objetivo informar o proprietário dos cuidados necessários com relação ao preparo do terreno, espaçamento e profundidade das covas, controle de pragas, adubação, irrigação, entre outras informações importantes para o sucesso do plantio.

6. Após o reflorestamento de uma área, qual a consequência para o manejo da fauna?
As consequências do reflorestamento causam o aumento de espécies na fauna consideravelmente. Dessa forma, algumas espécies de animais são atraídas, tais como: insetos, pássaros e animais de pequeno porte. Porém, deve ser dada uma atenção especial, pois dependendo do clima a fauna parasita pode acarretar grande estrago na área a ser recuperada.

7. Minha área é menor que 01 hectare. Ainda posso participar do programa?
Não. Há a opção, que seria de compra de mudas subsidiadas.
Para solicitar orçamentos, cadastre-se em: http://conteudo.ibflorestas.org.br/orcamento-de-mudas-cadastro-programa-plante-arvore

8. Posso escolher as espécies que serão doadas?
Para cada área de reflorestamento é feito um mix de mudas e elaborado um projeto técnico de forma que as mudas liberadas sejam adequadas à área. Desta forma, não seria possível a escolha das mudas, pois está limitada à disponibilidade do nosso estoque e às especificações do projeto técnico.

9. Qual o tamanho das mudas doadas?
As mudas expedidas possuem entre 15cm e 60cm de tamanho. Esta dimensão pode variar para mais, dependendo da espécie, da disponibilidade em nosso estoque e da preferência da empresa parceira para patrocínio.

10. Como é realizado o transporte das mudas? Quem arca com as despesas?
O transporte das mudas é de responsabilidade do proprietário. O proprietário pode retirar as mudas diretamente em nosso viveiro ou, em caso de impossibilidade, arcar com o envio via transportadora. Para efeito de comparação, é possível transportar um lote de 5000 mudas no porta-malas de um carro de passeio. É bom lembrar que caso o proprietário opte por envio por transportadora, o IBF irá cotar da forma mais barata para o possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *